Na nossa cultura, a ocidental, o autoconhecimento é pouco estimulado. Valoriza-se mais as conquistas externas, como a riqueza exterior. Tentamos abafar a voz da nossa alma conquistando coisas e acumulando bens e conhecimentos, mas logo essa voz já está novamente sinalizando que falta algo, mesmo quando os bens materiais e o conforto estão garantidos.

Por isso nós vivemos em constante busca. Nossa mente é inquieta, falante, questionadora e crítica. Então vamos definindo metas que após alcançadas são substituídas por outras, e assim por diante. Essa resposta pode estar em nível inconsciente, e aparentemente inalcançável.


Psicologia Analítica Junguiana

"Um mergulho na Alma"

Carl Gustav Jung, psiquiatra suíço e fundador da Psicologia Analítica no século XX, nasceu em 26 de julho de 1875 e faleceu em 06 de junho de 1961. Jung desde o início de sua carreira interessou-se pelo trabalho do psiquiatra Sigmund Freud, seu futuro mentor, e suas teorias do inconsciente que o inspirou em seu trabalho. Jung e Freud compartilharam muitas idéias sobre a origem dos distúrbios mentais e foram amigos de longa data.

A finalidade da psicologia analítica é fazer com que o paciente passe pelo processo de individuação e encontre o seu Self, a totalidade da Alma. E esse processo acontece de forma dinâmica entre o Ego consciente e o Self inconsciente. A individuação é o amadurecimento, é quando nos libertamos de máscaras, sombras e paradigmas do inconsciente coletivo. Jung chamou de Psique o termo para definir a personalidade. É um sistema energético fechado de quantidade constante com dois pólos de forças que se comunicam entre si, o consciente, que é tudo que nos chega pelos sentidos e transformados em imagens e tem o Eu como centro organizador; e o inconsciente, este dividido em pessoal, que é a camada mais superficial do inconsciente e onde ficam impressões, percepções, experiências da vida da pessoa perdidas na memória, e o coletivo, são camadas mais profundas do inconsciente, onde ficam as imagens primordiais de todos os antepassados da humanidade, uma espécie de acervo da humanidade que carregamos dentro de nós, tendo o Self como o centro organizador.

Essas imagens primordiais são também chamadas de arquétipos, formas instintivas de imaginar, são crenças e valores comportamentais básicos do ser humano, dos antepassados e que constitui estereótipos. Essas imagens primordiais são também chamadas de arquétipos, formas instintivas de imaginar, são crenças e valores comportamentais básicos do ser humano, dos antepassados e que constitui estereótipos. Todo o ser humano possui cinco arquétipos principais: 1) Eu (Ego) é o que fornece a noção de identidade, personalidade individual, é o único que está a nível consciente; 2) Persona, uma espécie de máscara que usamos na sociedade como forma de adaptação, é a imagem pública, sempre com a intenção de causar uma boa impressão. Esse personagem social é composto por papéis que desempenhamos no dia-a-dia; 3) Sombra, são os conteúdos negativos que o Ego exclui da consciência e não usados na Persona, o lado instintivo e primitivo; 4) Anima, é a imagem da mãe para o homem, é como a mulher deve ser para este homem, e também é a energia feminina existente em seu inconsciente pessoal; 5) Animus, é a imagem do pai para a mulher, é de como deve ser o homem para esta mulher, e também é a energia masculina existente em seu inconsciente pessoal. 

Ainda existem doze arquétipos comuns: a amante, o cuidador, o homem comum, o tolo, o rebelde, o explorador, o criador, o herói, o mágico, o sábio, o governante e o inocente. Os arquétipos são representações dos mitos, e os mitos são a manifestação da essência da alma, esta tão estudada por Jung para compreender os problemas psicológicos essenciais. Jung também analisa o ser humano na esfera social, em como ele interage, então cria a teoria dos tipos psicológicos. Partindo de duas formas principais de interação: os extrovertidos, suas energias se voltam para coisas e pessoas, para o mundo externo; e os introvertidos, suas energias se voltam para idéias e pensamentos, para o mundo interno. Jung também classificou quatro funções básicas: pensamento, sentimento, sensação e intuição, que são a maneira como reagimos a diversas situações no dia-a-dia.

Para se atingir a Individuação, é necessário trabalhar os Complexos inconscientes e para isto é preciso de descarga emocional, através de memórias, percepções, desejos vivenciados pelo paciente carregados de muita afetividade, energia psíquica e que também podem gerar traumas.


Eneagrama

É uma ferramenta muito eclética e facilmente adaptável à qualquer tipo de leitura ou interpretação sem perder a sua essência de origem científica e psicológica.

É um sistema de tipologia das personalidades, partindo de 9 tipos e seus subtipos. Embora seja utilizado praticamente em vários países de religiões e filosofias diferentes, não pertence a nenhum deles. É um patrimônio da humanidade, já que ninguém conseguiu, até hoje, registrar sua propriedade.

É uma ferramenta prática e assertiva, que possibilita o autoconhecimento, e também que possamos conhecer e entender como as outras pessoas "funcionam" emocionalmente. Para muitos, é o sistema de compreensão do ser humano, mais eficaz que tiveram conhecimento.

Há uns 4.500 anos atrás, apareceu na mesopotâmia uma fraternidade de homens sábios que descobriram o segredo cósmico da auto renovação e o transmitiram através das gerações. Durante muito tempo, esse segredo foi preservado na Babilônia. Após 2.000 anos foi revelado a Zoroastro, a Pitágoras e a outros grandes sábios estavam na Babilônia. Em seguida os guardiões da tradição migraram para o norte e cerca de mil atrás chegaram a Bukhara, que fica em Usbequistão, na Ásia Central.

Após o ano de 1877, na Rússia surgiu um grupo de exploradores denominados "Os que buscam a verdade". Era um grupo de homens conhecedores das teorias de transformação da psique humana, que queriam resgatar as ciências antigas que estavam perdidas, ou escondidas. Viajaram pelo Egito, Afeganistão, Grécia, Pérsia, Índia e Tibete, conhecendo monastérios e santuários remotos aprendendo tudo que podiam sobre as antigas tradições de sabedoria.

Entre esses buscadores estava George Ivanovich Gurdjieff,, que acabou encontrando o símbolo do Eneagrama em um desses países que visitou. A partir daí, elaborou uma síntese de tudo o que ele e seu grupo haviam pesquisado.

Então G. I. Gurdjieff começou a ensinar em São Petesburgo e Moscou, atraindo muitos alunos. Surge então o Eneagrama moderno.

Gurdjieff foi o criador do sistema de desenvolvimento humano conhecido mundialmente como "o quarto caminho". Certamente foi um dos mais notáveis transpessoalistas modernos.

O modelo ensinado por Gurdjieff era um modelo de processos naturais e ainda não uma tipologia psicológica.

Não podemos deixar de citar aqui os outros dois colaboradores que fizeram a atualização da sistematização do Eneagrama, possibilitando que ele fosse lido da forma que é hoje. Dr. Oscar Ichazo e o Dr. Cláudio Naranjo, um prestigiado médico Psiquiatra cuja contribuição resultou na descrição e leitura clara e objetiva dos nove tipos de personalidade eneagramáticas conhecidas hoje.


DISC

Muito conhecida e utilizada por profissionais que trabalham com gestão de pessoas e desenvolvimento humano, a Metodologia DISC tem como base a identificação de traços comportamentais predominantes em cada indivíduo. A lógica é que, se sabemos as principais tendências de comportamento de uma pessoa, temos mais embasamento para tomar decisões e fazer análises. Com as informações sobre os perfis comportamentais, a Metodologia DISC possibilita, além de assertividade na gestão e desenvolvimento de pessoas, uma análise mais justa do ser humano. Cada um é avaliado

de acordo com os perfis predominantes e nenhum é melhor que outro. Há perfis mais adequados para determinadas funções ou com mais facilidade para desenvolver certas características e habilidades, mas sem determinismo ou juízo de valor. Além disso, analisar o comportamento ajuda a eliminar vieses externos.

Na década de 1920, William Marston, PhD em Psicologia pela Universidade de Harvard, elaborou a teoria DISC para explicar as reações emocionais dos seres humanos. Em seu livro "As emoções das pessoas normais", ele descreve quatro tipos comportamentais principais, os quais originaram a expressão DISC:

• Dominance (dominância): remete ao controle, poder e assertividade;

• Influence (influência): relacionada à comunicação e às relações sociais;

• Steadiness (estabilidade): diz respeito à paciência e persistência;

• Conscientiousness (cautela): relativa à organização e à estrutura;

Apesar de Marston ter sido o primeiro a sistematizar a metodologia e falar de comportamento, a inspiração para a divisão em quatro perfis tem como precursores Hipócrates e Galeno, que moldaram as expressões colérico, sanguíneo, fleumático melancólico em seus estudos de medicina.

A Metodologia DISC tem como base a valorização das características principais de cada perfil. Se o seu cargo te exige algo completamente diferente do que é fácil e natural para você, talvez essa seja a função errada. O conhecimento sobre perfis traz essa clareza de característica e nos permite entender em quais pontos de desenvolvimento vale a pena investir energia e quais exigências não fazem sentido para cada tipo.


PNL - Programação Neurolinguística

 "Trata do uso das palavras (linguística) para atingir a mente (neuro) e produzir uma ação (programação)."

Programação = como organizamos idéias e ações para gerar resultados.

Neurologia = como a mente processa os fatos através dos sentidos.

Linguística = como usamos nossa capacidade de comunicação e expressão corporal para alcançarmos nossas finalidades e como afetam as pessoas.

A PNL existe desde meados dos anos 1970 e continua a ganhar dinamismo no mundo inteiro. John Grinder, professor de Linguística na Universidade da Califórnia, em Santa Cruz, e Richard Bandler, na época estudante de psicologia na mesma universidade, foram os cocriadores da PNL, estavam interessados nas habilidades de comunicação dos principais terapeutas de sua época e desenvolveram alguns modelos-chave e idéias.

A Programação Neurolingüítica é uma metodologia que trata da estrutura da experiência humana subjetiva, de como organizamos o que vemos, ouvimos e sentimos e filtramos o mundo exterior através dos nossos sentidos. E de como traduzimos isto através da linguagem verbal e não-verbal, intencionalmente ou não.

É baseada num conjunto de modelos, estratégias e crenças utilizados para uma comunicação positiva e eficiente entre as pessoas e consigo mesmo com o objetivo de conquistar a excelência e o desenvolvimento pessoal e profissional.

É uma ferramenta de percepção e ressignificação.

Princípios-chave:

Rapport: empatia e identificação com a linguagem do outro; Percepção Sensorial: visão, som, toque, sentimentos, gosto, cheiro usados de forma consciente; Pensamento de Resultados: "O que você quer", gerar ação, explorar possibilidades e tomada de atitude; Flexibilidade Comportamental: posicionamentos perceptivos diferentes geram melhores resultados, manter a  mente aberta.


Psicologia Positiva

" Ressignificando emoções". 

A Psicologia Positiva, surgida no final da década de 1990, pelos psicólogos Martin Seligman, Mihaly Csikszentmihalyi entre outros, tem suas raízes na psicologia humanista de Carl Rogers, Abraham Maslow, Erich Fromm e Carl Jung. O objetivo é colocar o foco no estudo das qualidades e das características do ser humano para seu crescimento e motivação para efetuar mudanças.

 A psicologia positiva se pauta na Teoria do Bem-Estar PERMA criada por Seligman em 2011 que representa os cinco elementos essenciais que devem estar presentes para uma vida produtiva e feliz:

Enquanto a psicologia analítica nos leva a um mergulho no inconsciente, na alma; a psicologia positiva nos move em direção a ação, ressignificando emoções, buscando soluções (engajamento). São abordagens complementares.